IELTS – Esteja preparado!

Se você sonha em realizar um curso superior fora do Brasil um dos primeiros requisitos pra você ser aprovado nas instituições de ensino é provar suas habilidades acadêmicas no inglês (no caso de escolher ir para um país de língua inglesa, óbvio!). Porém, não vá pensando que seu certificado de “super fluent advanced” da CCAA, Wizard, Wise Up vai te ajudar nesse momento. O que vale para as escolas e universidades é ter uma certificação internacional reconhecida (e as mais conhecidas são TOEFL, Cambridge e IELTS ).

O TOEFL é um certificado mais popular para os estudantes que desejam estudar nas universidade dos Estados Unidos. Já o IETLS tem crescido em reconhecimento internacional por ser aceito por mais de 8000 instituições de 135 países como Austrália, Canadá, Irlanda, Nova Zelândia, África do Sul e Reino Unido.

IELTS

Algumas instituições na Nova Zelândia têm autorização do governo para aplicar testes  internos de proficiência de inglês e aceitarem estudantes que não tenham o IELTS. Esses testes podem ser feitos online (você faz o teste ainda no BR, ou no país que você esteja) ou você pode fazer presencialmente. Porém, devido a diversos casos de fraudes, está cada vez mais difícil encontrar instituições que disponibilizam esses tipos de testes, especialmente online.

Existem dois tipos de exames de IELTS: o IELTS Geral e o IELTS Acadêmico. O Acadêmico geralmente só é exigido para ingressar em Universidades Públicas. Já o módulo Geral é exigido como requisito para obtenção do visto de residência na Nova Zelândia (além de Austrália e Canadá) bem como aceito na maioria das Instituições particulares e Politécnicas do país.

downloadQuando estávamos planejando vir para a Nova Zelândia nós não considerávamos prestar o IELTS e então  conseguimos encontrar uma instituição que na época aplicava o teste online. Porém, com as mudanças nos processos de imigração, um certificado de proficiência de inglês passou a ser item obrigatório para a aplicação e por conta disso nós prestamos o IELTS em Outubro de 2017. Yeees, We did it!! 

A primeira coisa que você precisa saber sobre este certificado é que não existe “aprovado x reprovado”. O resultado do exame vai te mostrar o seu nível de proficiência na lingua inglesa em quatro competências: compreensão, leitura, escrita e conversação. Você receberá uma nota para cada módulo e uma nota geral de todo o exame (média dos quatro módulos). Geralmente é exigido obter o mínimo de 6.0 de nota geral para cursar um Diploma Level 7 e no mínimo 6.5 para uma pós-graduação, MBA,  ou como requisito para o visto de residência do principal aplicante. Apesar de não ter validade, as instituições de ensino e a imigração geralmente exigem exames realizados há menos de dois anos.

O IELTS é um exame bem objetivo porém com DIVERSAS pegadinhas. Para ter sucesso na prova, mais do que ter domínio da língua inglesa, você precisa ter conhecimento e estar preparado para a estrutura da prova.
Na parte da compreensão e leitura você pode encontrar questões de diversos tipos como “preencher a lacuna”, ou “true/false/Not given” (e eles te confundem nessa aqui que é uma beleeeza), “alternativas” ou “interpretação de resumo de parágrafos”. Nestas duas sessões escrever corretamente as palavras é impressindível (incluíndo plural/singular). Além disso, é muito importante ler o enunciado das questões. Se o teste te pede para responder com até 2 palavras, se você colocar 3 palavras a resposa estará incorreta.

Estrutura da prova do IELTS

  • Listening (compreensão): nesta etapa você ouve quatro conversas e/ou monólogos e vai respondendo as 40 questões. Você só tem a chance de ouvir 1 (UMA) única vez o áudio. Se perder alguma questão não se desepere e não perca tempo tentando adivinhar, continue focado no áudio para não perder as próximas respostas. O tempo total dos audios é de 30 minutos e ao final você tem mais 10 minutos para transferir suas respostas para o formulário de respostas.  Nesta parte ovcê irá ouvir uma grande variedade de sotaques como o americano, o inglês britânico, o australiano e o neozelandês.
  • Reading (leitura): esta sessão é composta por 40 questões e o tempo é de 60 minutos. Aqui, dependendo do tipo do IELTS que você fizer (Acadêmico ou Geral), você terá diferentes tipos de textos. Para o IELTS Acadêmico, os textos são mais longos e acadêmicos, enquanto que no IELTS Geral são textos curtos, geralmente relacionados ao dia a dia. A dica para esta etapa é você entender como os modelos de questões funcionam para sua lógica de raciocínio, ou seja, você precisa entender se ler os textos antes ou depois das perguntas faz diferença no seu controle de tempo de prova. Este é um dos principais motivos pelos quais os simulados são tão importantes.
  • Writing (escrita): nesta etapa você terá 60 minutos para escrever 2 textos. Esta sessão também tem diferença entre o Acadêmico e o Geral. O IELTS Acadêmico pede para que você interprete as informações de um gráfico, diagrama ou tabela e o segundo texto é um artigo de pelo menos 250 palavras. No IELTS Geral, o seu primero texto será uma carta de no mínimo 150 palavras (formal ou informal) e o segundo texto também será um artigo de pelo menos 250 palavras. Os simulados te ajudam a ter ideia de quantas linhas você precisa escrever para dar a quantidade de palavras necessárias, assim você não perder tempo contando palavras na hora da prova (porque não da tempo MESMO). O ideal é utilizar 20 minutos para o primeiro texto e 40 minutos para o segundo texto. Os temas dos artigos e das carta seguem os mesmos modelos e muitas pessoas com inglês fluênte podem falhar nesta fase pois a avaliação desses textos envolve 4 aspectos, sendo um deles a estrutura do texto, por isso aprender a estrutura fará total diferença no seu resultado desta etapa. Outra dica é evitar contrações como don’t, isn’t, I’m, etc… Erros de grafia também são penalizados.
  • Speaking (conversação): dividido em 3 partes e por cerca de 15 minutos, esta é a única etapa do IELTS que é feita 1-1 (você e o examinador). Na primeira parte você responde sobre assuntos pessoais como trabalho, família e coisas do dia a dia. A segunda  parte você recebe um cartão com um assunto específico e você tem 1 minuto para se preparar e 2 minutos para falar sobre o tema (sim, cronometrado). O ideal é que você fale durante os 2 minutos, então quando pensar no tema, pense em detalhes que você pode contar, e uma tente dar uma “floreada” nas situações. Na terceira parte você responde algumas perguntas relacionadas ao tema abordado na parte 2. A principal dica para esta sessão é MANTENHA A CALMA! Você não precisa falar rápido para demonstrar fluência, mas você também não pode ficar gagejando caso não saiba ou não se lembre de uma palavra. Evite gírias e repetir uma mesma palavra diversas vezes ( “like”, “for example”). Os assuntos podem ser diveeersos, mas estar preparado para falar sobre você pode te ajudar pelo menos na primeira parte (Você estuda?O que? Trabalha? Gosta do seu trabalho? Mora com seus pais? Como é a sua familia? E a sua cidade? Com certeza uma dessas perguntas será feita pra você).

O tempo total que você fica lá sofrendo fazendo o teste de reading, writing e listening é de 2 horas e 40 minutos, sem intervalos. a prova é feita toda a lápis, não precisa passar nada a caneta. Não pode levar nada de comidinhas, só uma garrafa de água. Se você precisar ir no banheiro você tem que ir durante uma das sessões e usar o seu tempo de prova. Geralmente a sessão de speaking não é realizada no mesmo dia ou na mesma hora das outras sessões. Eles te mandam um e-mail com todas as informações. Uma vez realizado o exame, o resultado sai 13 dias depois de concluído e no caso de não ter conseguido a nota necessária, você poderá repetir o exame a qualquer momento.

Custos do IELTS

Nós pagamos e fizemos o IELTS na Nova Zelândia, e o valor foi de NZD$385.  Recomendo que você de uma olhada no site oficial para saber saber as informações para o Brasil ou aonde você estiver. Existem mais de 900 centros que aplicam o IELTS pelo mundo. Para se registrar online você só precisa preencher um formulário e enviar uma cópia do seu RG ou passaporte.

Como se preparar para o IELTS

image1-40

Se você tem intenção de prestar esse exame, a nossa dica principal é você fazer (muitooos) simulados. Aprenda a estrutura e mecânica da prova, controle o tempo de acordo com o tempo oficial. Além disso faça uma imersão na língua inglesa: leia materiais, sites, blogs em inglês, assista vídeos no youtube, filmes e séries somente com legenda em inglês e de diversos sotaques.

Alguns sites e materiais online foram essenciais e nos proporcionaram dicas maravilhosas para o teste. Existem diversos canais no youtube mas o E2 Language e o IELTS LIZ nos deram dicas importantes de uma maneira simples e direta. Pelo site IELTS Exam você pode fazer o download gratuito de cada módulo da prova (nós fizemos TODOS os simulados desse site da parte de “reading”). O site oficial do IELTS também disponibiliza as provas para serem usadas de simulados. Além disso, eu me cadastrei no site IELTS MATERIAL e recebia diáriamente no meu email uma listinha de exercícios.

Como eu (Stella) estava me sentindo menos confiante especialmente para a sessão de writing, eu entrei em contato com o pessoal da HINT Linguistic Consulting. Eles são uma empresa do Brasil, porém conseguiram organizar todo o esquema de aulas pra mim através de skype. Eles foram super flexíveis tanto nos horários das aulas (o fuso horário BR-NZ não é fácil), quanto no conteúdo que foi totalmente personalizado para as minhas principais dificuldades.

Caso você tenha probleminhas em criar uma diciplina para estudar sozinho, existem diversas escolas aqui na Nova Zelândia que além de inglês geral oferecem cursos preparatórios para o IELTS. Então, antes de fechar a matrícula em uma escola de inglês, se a sua intenção é no futuro fazer uma graduação por aqui, ou está planejando imigrar para o país, a minha recomendação é que você procure saber se a escola oferece esses tipos de cursos preparatórios. (Você já sabe que eu posso te ajudar a encontrar esses cursos aqui na Nova Zelândia se você precisar, né? É só clicar aqui ).

No Brasil, além de professores particulares, também existem escolas que oferecem cursos específicos para certificados. Procure saber se a escola que você pretente estudar ou está estudando disponibiliza algum dos certificados (Internacionais e reconhecidos) e também a média de aprovação dos alunos. É importante e pode te ajudar nos seus planos futuros 🙂

O Subemprego e a Nova Zelândia

E aí gente, tudo bem?

Esse final de semana que passou tivemos aqui na Nova Zelândia um “long weekend”, ou seja, segunda-feira nós tivemos uma delícia de um feriado que há tempos não tínhamos. Aliás, o último feriado aqui foi em Junho, aniversário da rainha. Da uma olhada aqui nesse calendário da Nova Zelândia.

Daí você me pergunta “mas meu amor, SUBEMPREGO no título desse post e você começa o texto falando sobre FERIADO? As duas palavras nem combinam na mesma frase, né minha linda? ”
E é ai que vocês, brasileiros, assim como nós, estão enganados. Como nós sempre estivemos…

Neste feriado que passou nós não programamos nenhuma viagem e decidimos ficar aqui por Auckland mesmo. A previsão do tempo não tava muito animadora, não.

singin-in-rain1

A gente aproveitou bem o NADA mesmo, o sofá, a Netflix, e resolvemos sair de casa só para manter a sobrevivência, ou seja, ir comer alguma coisa.

E é aí que eu queria te contar uma coisa que me fez pensar em fazer esse post..

Por um breve momento a gente ficou um pouco puto que não tinha um lugarziiinho bom (que não fossem os fast-foods 24hs) aberto nessa cidade. MAS COMO? Em pleno sabadão ou domingão véspera de feriado, NoveEMeiaDaNoite, QUALQUER lugar que você pensar em comer TEM QUE estar aberto (além de estar cheio, ter fila de espera e etc, né São Paulo?)…. Bom, fato é que rodamos e rodamos, e estava TUDO FECHADO/ FECHANDO!

Auckland é uma cidade grande e dependendo de onde você foi criado (SP, por exemplo) você até pode discordar. Porém fica fácil de entender o que queremos dizer com “cidade grande” quando um país de 4,5 milhões de habitantes concentra 1,3 milhões de residentes numa cidade.
Mesmo sendo a cidade grande daqui da Nova Zelândia, em Auckland as lojas dos shoppings fecham as 6PM durante a semana, de domingo lojas de rua fecham as 5PM, e a maioria dos restaurantes as 9PM já estão fechados e limpos! INCLUINDO feriados… Alias, você pode encontrar facilmente lojas e restaurantes que nem abrem em feriados.

E ai parando aqueles 5 minutos pra pensar, depois desse feriado, eu tava é mesmo puta comigo mesma, porque não saímos mais cedo de casa pra jantar… porque se os restaurantes não ficam abertos até a hora que eu achar que tenho fome, significa que as pessoas que trabalham lá encerraram seus turnos e foram fazer o que bem entenderem, foram aproveitar o resto do feriado, foram VIVER!

Se você ainda não entendeu onde eu quero chegar….
A realidade brasileira criou na nossa mente uma imagem BEM ruim dos subempregos. O preconceito que nós brasileiros criamos sobre essa palavra e esses empregos está 100% ligado as condições que o indivíduo que está em um subemprego se submete.
Procurar pelo significado de subemprego no google (EM PORTUGUÊS) é bem bizarro e é um conceito que agora que vivemos aqui na Nova Zelândia não faz o MENOR SENTIDO.

O subemprego existe sim em todos os países e é considerado pela maioria deles empregos temporários, para um período do transição de carreira, ou as primeiras oportunidades de um jovem adquirir experiência profissional, ou a chance de entrar no mercado de trabalho para os estudantes internacionais (que geralmente não podem trabalhar no período full time enquanto estudam e por isso encontram empregos que permitem turnos de trabalho).
A gente já contou no post sobre como procurar emprego na Nova Zelândia que qualquer experiência profissional é levada em consideração e pode te ajudar a encontrar o emprego que você almeja. Afinal as características como o caráter, por exemplo, geralmente são as mesmas enquanto você lava um prato, ou negocia com um fornecedor.
Hospitality-workers

O termo subemprego não é visto como depreciação dos trabalhadores em lugares como Europa ou Estados Unidos e quando a gente analisa o mercado de trabalho aqui na Nova Zelândia, nem a diferença salarial é um abismo entre os empregos “qualificados” e os subempregos.

A gente está cada dia mais satisfeito em ver que na Nova Zelândia qualquer pessoa, em qualquer emprego, tem os mesmos direitos, consegue frequentar os mesmos lugares, visitar as mesmas praias, educar seus filhos, viver em lugares seguros e conseguem ter um horário de trabalho decente.
Quando o país aparece entre os tops nos rankings de qualidade de vida a posição de trabalho de um indivíduo é indiferente, porque o que importa para um ser humano é ter as mesmas oportunidades como qualquer cidadão na questão de segurança, saúde pública, lazer…
C-L-A-R-O que aqui você também pode encontrar aquele empregador que faz coisas erradas, que explora o empregado, que burla a lei…. Mas vamos considerar os 80% – 20%, tá?

ranking
Mercer´s Quality of Living Ranking 2017

Eu não to querendo glamourisar nenhum emprego especifico e seria bem hipócrita de falar que então trabalhar como barista em um Café era o emprego que eu queria ter pro resto da minha vida. Mas eu também não vou mentir pra você que trabalhando lá eu não aprendi diversas coisas, melhorei muito meu inglês, consegui juntar um bom dinheiro, comprei um carro, tive tempo pra estudar, e viajei para diversos lugares da Nova Zelândia 🙂

FOODbarista

Hoje quando eu pensei em subemprego eu lembrei de quando eu tinha que trabalhar até as 2 da manhã pra entregar um relatório e no outro dia tinha que estar as 8am para uma reunião. Lembro do transito de 2hs que eu pegava por morar em um lado da cidade e trabalhar em outro e de manter os vidros fechados para não ser assaltada pelo caminho. Lembro também da Diretora (foda e rycah) que eu conheci que estava indo pro seu terceiro casamento e praticamente não via os filhos crescerem devido a todas as viagens internacionais que ela tinha que fazer.

No final das contas, você já parou pra pensar se você quer ter um “subemprego” ou uma “subvida” ?

Trabalhando de Labour na Nova Zelândia

Já fazia quase um mês desde que tínhamos desembarcado em Auckland e desde então nossos gastos se acumulavam ao longo dos dias. Comida, transporte, moradia… por mais que nós tivéssemos nos preparado e planejado ficar até 3 meses sem precisar trabalhar, começou a bater um desespero de ver nosso dinheiro só diminuindo.

E foi assim que começamos nossa busca por emprego aqui na NZ, cerca de 20 dias depois da nossa chegada.

No começo tudo parecia muito difícil, ainda estávamos nos adaptando ao idioma, ao clima, as aulas já haviam começado, e nenhuma das vagas que aplicamos havia dado algum retorno. Então resolvi me cadastrar em algumas agências de labour, dessas que contratam estudantes e outros viajantes temporários para serviços gerais na área da construção. Peão mesmo, saca?

A primeira a me dar um retorno foi a Onestaff, que me chamou para uma espécie de entrevista. E lá fui eu, sem a menor idéia do que eu ia fazer.
Bom, a moça que me atendeu pediu para eu preencher um formulário com meus dados, um outro assinalando minhas experiências profissionais (nulas, no que diz respeito a trabalhos braçais), mais alguns papéis atestando que eu estava fisicamente apto para o tipo de trabalho, me falou um pouco sobre o tipo de trabalho que eles poderiam me arrumar e perguntou se eu realmente tinha interesse no trabalho. Sim, eu tinha! Não via a hora de ganhar algum dinheiro, seja lá qual fosse o trabalho!

Então ela pediu que eu entrasse em um banheiro e urinasse dentro de um potinho. Isso mesmo, caí no antidoping sem nem entrar em campo! Mas como sou caretão, tava tudo limpo.
Depois, me deixaram numa sala junto com outro cara assistindo um vídeo sobre segurança no trabalho, com as encenações mais bizarras e mórbidas, e ainda nos fizeram responder um teste para avaliar nosso entendimento sobre o assunto. Pra fechar, como eu não tinha nenhum equipamento para trabalhar, ganhei um kit com botas, colete laranja, capacete, óculos, luvas e protetor de ouvidos.
Ah, também assinei um termo me comprometendo a devolver o kit caso eu me desligasse da empresa, caso contrário seria descontado dos meus rendimentos.

Voltei pra casa sem ter certeza de quando eu começaria a trabalhar e nem de qual seria o trabalho, até que logo nos dias seguintes recebo uma ligação da mesma moça me chamando para um trabalho.

Minha função seria cimentar uma estrutura dentro de uma empresa de tratamento de lixo…… Bora!
Compareci no horário combinado pra pegar carona com 2 iranianos até o local do trabalho. Passei quase 10 horas trabalhando, espalhando cimento em uma ladeira por cima de uma tubulação, debaixo de sol. Entre um caminhão de cimento e outro, contava meus planos a um funcionário da empresa que estava nos ajudando no dia, e ouvia algumas palavras de incentivo.

No fim, já cansado, os iranianos acabaram me deixando no ponto de ônibus errado e ainda tive que andar mais 30 minutos até o ponto certo. Era um trabalho de um dia só, agora teria que esperar a agência me ligar de novo.
Cheguei em casa esgotado, confesso que fiquei me perguntando se valia a pena passar por isso. A resposta veio logo que recebi meu pagamento, algo em torno de $160 pelo dia. Não via a hora de ir de novo!

A Onestaff nunca mais me chamou pra nenhum trabalho, mas em compensação, logo na semana seguinte recebi uma ligação da AWF, a maior agência de recrutamento nessa área.
Compareci ao escritório e passei pelo mesmo processo de contratação. Dessa vez me garantiram trabalho toda segunda e terça, os únicos dias que eu tinha disponibilidade.
Era só esperar a van ali no centro, ir até a agência e eles me levariam até o local de trabalho. Aliás, eles me pareceram muito mais organizados e com muito mais trabalho pra oferecer.

E essa foi minha rotina por algumas semanas. Trabalhei carregando entulho, serrando tábua, desmontando andaime, descarregando caminhão, reformando jardim, cortando mato na beira da estrada, usei britadeira (!), misturei cimento… embaixo de chuva ou de sol, e qualquer outra coisa que me pedissem pra fazer na obra, quase sempre ganhando o salário mínimo ($15.25 /hora).
Fiz isso por pouco mais de um mês, até ser chamado pra trabalhar em uma loja de móveis como vendedor.

Durante esse tempo conheci gente do mundo todo, uns juntando uma grana pra poder continuar viajando, outros se virando pra ajudar a família. Me divertia na volta pra casa ouvindo as histórias e falando besteira. Pode parecer cliché, mas também foi legal me despir desse preconceito que eu achava que não tinha, mas que no fundo sempre achava que as pessoas estavam me julgando por estar voltando todo sujo de um dia de trabalho. Vale lembrar que sempre fui tratado com enorme respeito por aqui.

Voltava pra casa sempre bastante cansado, mas com uma sensação bacana de que havia feito algo importante. Eu que estava acostumado a ver o resultado do meu trabalho somente em números, dessa vez podia ver o resultado ali com meus próprios olhos.

Não posso dizer que esse é o tipo de trabalho que eu quero pra minha vida, mas afirmo com toda certeza que se um dia eu precisar estarei lá com meu “kit peão” na mochila, pronto pra outra.

ps: até hoje, a Onestaff nunca me cobrou pelo kit, mas também nunca mais me chamou pra trabalhar… acho que esqueceram de mim.

 

Quanto custa viver em Auckland?

Acabamos de completar 3 meses morando nessa beleza de país que é a Nova Zelândia, especificamente em Auckland, e acho que chegou a hora de falar de um dos maiores defeitos da cidade: O CUSTO DE VIDA! 😩💸

Continue Lendo “Quanto custa viver em Auckland?”

Procurando um lar em Auckland

Uma das maiores preocupações de quem está mudando de país é a moradia. Mas como encontrar um lar em uma cidade que você mal conhece? Qual a melhor localização? Onde procurar? O que precisa para alugar? Quanto custa?

Calma que o NMN vai responder essas e outras perguntas, baseado em nossas próprias experiências!

Continue Lendo “Procurando um lar em Auckland”

Contratar ou não uma agência ?

Olá amigos, ficamos bastante feliz e surpresos com todas as mensagens que recebemos com a noticia da nossa mudança. Faz toda diferença quando você tem pessoas mandando energias positivas e torcendo por você. Legal também saber que tem bastante gente que só precisa de um empurrãozinho pra tomar uma decisão e que somos considerados inspiradores. Tudo isso nos da uma satisfação enorme em mantermos o blog.

Uma das primeiras perguntas que nos fazem hoje referente a mudança é “Vocês fecharam com qual agência ?”

Continue Lendo “Contratar ou não uma agência ?”